História

História ModernaUstalav symbol

Amaldiçoado com uma história de tragédia e glória desbotada, o Principado Imortal de Ustalav se apega ao seu passado lendário, mesmo enquanto se esforça para esquecer séculos de horrores. Desde as falésias cobertas de névoa do Lago Encarthan ao labirinto emaranhado da Shudderwood, a turbulenta nação carrega a reputação infame como um lugar de nascimento e renascimento de tiranos. Na história da Idade de Entronização (2361 AR), a lâmina do lendário herói Soividia Ustav varreu as brutais tribos Kellid e sua herança de magia obscena das terras ao redor das Hungry Mountains, e reivindicou a região como uma nova pátria para seu povo. Estes clãs gradualmente começaram a expulsar os habitantes Orcs, Numerianos, e Sarkorianos nativos.
Na vitória, o senhor da guerra dividiu o país entre seus tenentes e aliados, concedendo terras condizentes as obras e mérito de suas antigas famílias. Por mais de 500 anos, o Reino recém-ressuscitado de Ustalav seguiu a coroa de chifres da linhagem Ustav, mas como as gerações passadas, os clãs discutiam interminavelmente sobre o território, os direitos familiares, e a honra dos antepassados mortos há muito tempo.

Para evitar uma guerra civil, a princesa Carmina Ustav dividiu a nação em dezesseis condados em 2862 AR, parcelando a terra, e atribuindo-lhe, em perpetuidade, para as várias famílias nobres. O governante de cada condado possuía autonomia significativa, mas por sua vez, devia sua lealdade ao monarca (descendente de Ustav). Esta mudança aliviou tensões e levou a uma idade de ouro do crescimento e da prosperidade. A paz foi prorrogada por mais de quatro séculos após a divisão.

Ascensão do Necrotirano

Em 3203 AR, um perverso rei-mago conhecido como Tar-Baphon (morto pelo deus Aroden no ano de 896), ressuscitou como o vil rei lich conhecido como o Necrotirano. Tar-Baphon uniu as tribos de Orcs de Belkzen enquanto levantava exércitos inteiros de antigos mortos-vivos. O lich desencadeou sua milícia perversa e gênio arcano sobre as despreparadas terras de Ustalav, sitiando a nação por dentro e por fora. Enquanto o povo travou uma defesa desesperada, cada soldado caído reforçava a força das fileiras de mortos-vivos, e em 3206 AR, Ustalav era um reino dominado pelos mortos. Por mais de 600 anos, o Necrotirano governou um império de abominações enraizadas no país.

A Cruzada Brilhante
Não foi até 3754 AR que o primeiro raio de esperança surgiu. Finalmente decidindo que a nação necromântica apresentava uma ameaça significativa com sua contínua expansão, a distante Taldor lançou a Cruzada Luminosa. Guerreiros de todo o império Taldânico reuniram-se, convergindo à cidade Ustalava de Vellumis – atualmente no território de Lastwall – numa área de preparação para frente de batalha. Lá, eles se juntaram aos anões do reino de Kraggodan e aos renomados Cavaleiros de Ozem. No entanto, apenas em 3828 AR, três quartos de século após a cruzada começar, que o Necrotirano foi derrotado e a sombra sobre Ustalav foi levantada. O Tirano foi preso em sua capital assombrada de Gallowspire e Ustalav perdeu quatro de seus condados: dois foram declarados inabitáveis, e tornaram-se o deserto assombrado em volta de Gallowspire conhecido como Virlych, os outros foram entregues ao exército cruzado para criar a nação de Lastwall como uma guarda permanente contra qualquer horror ressurgentes.

A Lenta recuperação

Restabelecido e rebatizado como o Principado Imortal de Ustalav, o país retoma a maioria das leis e sistemas de seu passado quase lendário. A linhagem real de Soividia Ustav tinha morrido durante a longa era negra do reino e os poucos nobres sobreviventes que agora clamavam o trono só tinha laços tênues com a antiga família real. A coroa foi finalmente dada a Casa Ardeav, resultando numa luta interna maior entre a nobreza, que retardou a recuperação já cambaleante do reino. A terra também havia mudado, assim como as criaturas nesses trechos. Apesar do Necrotirano ter sido derrotado, muitos de seus seguidores escondendo-se entre as sombras mais escuras e ruínas assombradas deixadas na esteira de uma época de angústia.

Dias Atuais

Inimigos esquecidos de Ustalav também espreitavam das sombras outra vez – bestas que eram tidas como meras lendas e os espíritos inquietos dos ritualistas kellidianos abatidos. E na terra, águas e céus, as antigas coisas despertadas pela força do Tirano se mexem e lançam atenções insondáveis sobre um povo desavisado. Embora as gerações passadas tenham visto o repovoamento de Ustalav e sua ascensão como um centro de civilização na selvagem costa norte do Lago Encarthan, as cicatrizes das garras da morte ainda perduram. Invasores Orcs mortais, bárbaros selvagens, e impiedosos fanáticos encontram-se para além das fronteiras, enquanto dentro criaturas mortais, conspirações sombrias e seres sobrenaturais perseguem as noites e pesadelos da população do país. Estas circunstâncias geraram um povo suspeitador governado por superstições imutáveis, rígidas tradições culturais e religião sombria. Mesmo que os rumores temerosos e a cegueira prejudique a passagem dos fatos na maior parte do reino, muitos procuram a razão na escuridão, levando ao surgimento de inúmeros centros de arte, fé e aprendizagem. Ainda assim, Ustalav revela-se uma terra avarenta com seus segredos que reluta para mudar, e muitos que olham nas suas sombras são consumidos. Nos últimos 40 anos, sofre uma contínua convulsão de mudanças de regime que forçaram a capital a mudar e escândalos envolvendo linhagens tanto com ou sem derramamento de sangue.

História

Céus Negros Saulo